365 motivos para amar Salvador

15 de outubro – Katuka

Por Carol Andrade

A loja Katuka Africanidades fica na Praça da Sé e faz uma mistura entre moda, arte, decoração, questões étnicas e religiosas (Foto: 365 Salvador)

A loja Katuka Africanidades fica na Praça da Sé e faz uma mistura entre moda, arte, decoração, questões étnicas e religiosas (Foto: 365 Salvador)

A história da loja de artigos de africanos começou há mais ou menos cinco anos, quando um paulista, Renato Carneiro, ao lado do sócio, Carlos Danon, decidiu criar uma marca que trabalhasse com as questões étnica e religiosa, tão particulares da capital baiana. Assim, nasceu a Katuka Mercado Negro que vende guias, tecidos, livros, firmas, contas e indumentárias especiais do candomblé. Até que aquela ideia inicial cresceu e ganhou uma irmã caçula, a Katuka Africanidades, com o mesmo conceito, mas dessa vez trazendo a moda, a arte e a decoração para perto daqueles temas.

As duas lojas são visivelmente diferentes. Uma tem um público mais específico: são mães de santo, filhos de santo, pessoas ligadas ao candomblé que usam aquele espaço da galeria do Edf. Themis para suas celebrações ou simplesmente com o objetivo de se enfeitar para seus orixás. O que chama atenção logo de cara? A quantidade de opções de firmas e contas que um dia devem se transformar em guias.

A primeira loja aberta foi a Katuka Mercado Negro que se destaca pelos produtos mais específicos do candomblé (Fotos: 365 Salvador)

A primeira loja aberta foi a Katuka Mercado Negro que se destaca pelos produtos mais específicos do candomblé (Fotos: 365 Salvador)

Uma senhora atrás do balcão, com seu turbante colorido, também enche o espaço com suas orientações às funcionárias. Trata-se de Maura Cristina, a administradora da Katuka. “Temos uma coisa em comum”, disse com os olhos firmes. “Somos apaixonadas por Salvador”, completou sorrindo. É que Maura é paulista. Chegou a morar em Salvador por dez anos, depois voltou à São Paulo. Mas confessa: “não consegui me adaptar novamente”. Nessa segunda fase, mora aqui há sete anos.

Foi ela que me tirou algumas dúvidas e me mostrou tim tim por tim tim de cada loja. Que são praticamente vizinhas. Já que a Katuka Africanidades fica bem ali na esquina da Praça da Sé, colada com a Galeria Pierre Verger. Na loja mais nova, a Katuka Africanidades, o clima é diferente. Turistas olham hipnotizados para algumas das peças decorativas vendidas por lá.

Detalhes da mais nova loja, a Africanidades, que traz trabalhar mais com moda e decoração (Foto: 365 Salvador)

Detalhes da mais nova loja, a Africanidades, que traz trabalhar mais com moda e decoração (Foto: 365 Salvador)

Mas se engana quem pensa que a loja é daqueles do Centro Histórico voltadas para exclusivamente para os turistas. “O povo da terra também se identifica com as nossas roupas. Nós fazemos uma casa para os turistas e para o povo de Salvador. Nossos preços são bem acessíveis”, explicou Maura. A Katuka Africanidades trabalha com moda, objetos de decoração e livros. O diferencial? Tudo, ou quase tudo, é originalmente africano.

As peças de decoração e obras de arte, a maioria em madeira, chegam de Gana, Guiné Bissau, Nigéria, entre outros países. Os tecidos estampados e coloridos (lindos!) são vendidos por metro (uma média de R$25, à vista. Mas são as roupas, especialmente as camisas masculinas, que despertam o maior interesse dos compradores. Na história da marca, Maura explicou: “Renato é designer e começou a pensar em roupas africanas, com tecidos africanos, mas que sejam roupas do dia a dia. São peças que uma executiva pode usar, que dá pra ir ao cinema, não necessariamente aquelas indumentárias. São roupas com a nossa cara e o nosso estilo”.

O espaço também já abrigou alguns lançamentos de livros, sempre com um recorte étnico. Lá estão os livros de Mãe Stella de Oxóssi, Lande Onawale e a jovem poeta, Lívia Natália (que por sinal, apareceu na loja em meio à visita do blog!). Acessórios como colares, pulseiras, ecobags e calçados também embelezam o lugar. Ainda sobre as roupas, as peças são desenhadas por Renato Carneiro e tudo é feito pelas mãos de uma única costureira. São camisas, calças, bermudas, saias e vestidos. Para os mais criativos, dá para levar o tecido e criar a própria peça, ou decorar a casa, ou mesmo usar como turbante.

Para peças exclusivas e originais de África, os preços são mais convidativos. A camisa masculina, por exemplo, custa R$98. Já os vestidos estão com 20% de desconto neste período (até dia 20 de outubro). Maura contou que cada peça que chega lá é muito bem selecionada, no caso de uma obra de arte ou peça decorativa, ou mesmo em relação à moda. Tudo bonito, cheio de personalidade e história, pois como disse Maura: “aqui nós estamos ligados à nossa ancestralidade, seja com a literatura, a moda, a decoração, a arte ou com a religião”.

+ infos:
Endereço: Rua Guedes de Brito, 01, Praça da Sé, Centro Histórico. (Ao lado da Galeria Pierre Verger)
Telefone: 3321-0151

Katuka: Facebook

motivo #288

This entry was written by carolangom and published on October 15, 2013 at 3:36 am. It’s filed under compras, cultura afro, literatura, moda and tagged , , , , , , , , , , , , , , . Bookmark the permalink. Follow any comments here with the RSS feed for this post.

2 thoughts on “15 de outubro – Katuka

  1. Katuka Africanidades on said:

    Carol, Boa tarde , muito obrigada pela repotagem, adoramos, porem, temos algumas correçoes a serrem feitas por gentileza informe-nos o seu email e telefone..

    Att. Maura Cristina.

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s

%d bloggers like this: