365 motivos para amar Salvador

1º de novembro – Baía de Todos os Santos

Por Carol Andrade

A Baía de Todos os Santos não é só um dos cartões-postais da cidade, mas também é história, economia e faz parte do cotidiano soteropolitano (Foto: Rita Barreto/Setur)

A Baía de Todos os Santos não é só um dos cartões-postais da cidade, mas também é história, economia e faz parte do cotidiano soteropolitano (Foto: Rita Barreto/Setur)

No Dia de Todos os Santos, comemorado em 1º de novembro, a expedição comandada por Gaspar Lemos, trazia o italiano Américo Vespúcio para registrar os acidentes geográfico das terras tupiniquins. Isso aconteceu há 512 anos e eles. O que eles avistaram seria mais tarde conhecida como uma das maiores baías do Brasil. O nome não poderia ser outro, a cidade não poderia ser outra. E tem gente que ainda acredita em coincidências! Nossa Baía de Todos os Santos é um dos detalhes mais especiais de Salvador por muitos e muitos motivos.

A baía, que é uma das maiores do mundo e a segunda do Brasil, fica atrás apenas da Baía de São Marcos, no Maranhão (a primeira em tamanho é o Golfo de Bengala). De águas tranquilas, abriga alguns dos mais comoventes pôres-do-sol da capital baiana (do Solar do Unhão à Ponta de Humaitá), muitas memórias e grandes construções. Nessa região da cidade, certamente estão as mais bonitas vistas e as maiores histórias da nossa cidade. Afinal, foi sobre a Baía de Todos os Santos, que as primeiras casas, igrejas e solares, foram construídas.

Já parou para imaginar que do Farol da Barra até a última ponta de São Tomé de Paripe, tantos bairros são banhados pelas águas da Baía? Passando pelo Porto da Barra, Ladeira da Barra, Vitória, Campo Grande, Avenida Contorno, Comércio, Água de Meninos, Ribeira, Boa Viagem, Bonfim, Mont Serrat, Plataforma, Avenida Suburbana, Periperi, o próprio Centro Histórico, Gamboa, Carlos Gomes, Aflitos, entre outros tantos lugares. Isso quer dizer que boa parte dos moradores desta terra passam os olhos diariamente por este verde, seja em uma viagem de ônibus, seja da vista de casa.

Além de ser responsável por batizar o nosso estado, esta é a nossa aproximação definitiva com o mar. Afinal, a cidade praticamente se debruça sobre a Baía de Todos os Santos, ou seria o contrário? Quem é da terra, já sabe, nela estão muitas opções de diversão e até de trabalho. Desde sempre, os navios com pessoas e também com muitas mercadorias se aportaram na Baía de Todos os Santos, descarregando povos tão diversos, quando culturalmente ricos. E ainda, com os próprios trapiches, ali no Comércio, e depois com a Feira de São Joaquim, em Água de Meninos, regiões das mais mercantis de Salvador, em uma época mais distante.

Chamada de Kirimurê por índios de origem tupinambá, foi cenário de lutas, guerra, naufrágios e bombardeamentos em outros séculos. Hoje, pescadores madrugam com seus barquinhos na costa e no meio dela, iluminando e hipnotizando os peixes, com suas luzes sobre a Baía. Até pouco tempo atrás, a pesca de bomba ressoava por ela, mas, ainda bem, se tornou proibida.

De manhã cedo e nos fins de semana, o pessoal do canoagem se misturam aos praticantes do Stand Up Paddle, que desfrutam as águas calmas e verdes desse mar. No Porto da Barra, banhistas disputam o melhor banho de mar da cidade, naquela quase piscina natural. Um das tantas bençãos da Baía de Todos os Santos.

O próprio ferry-boat, as lanchinhas, escunas, jet skis, embarcações de todos os tamanhos, transitam por essas águas e promovem alguns passeios inesquecíveis por esse lugar tão mágico. Com 1.233 km² de extensão, é considerada rasa, com profundidade que varia de 6 a 70 metros. A Baía de Todos os Santos merece uma semana inteirinha (e um pouco mais) de motivos para ser amada. Afinal, é linda demais, é grande demais e extremamente importante para Salvador.

Mas a verdade é que não só Salvador pode se considerar filha dessa Baía. Suas águas banham ainda a Ilha de Itaparica, Candeias, São Francisco do Conde, Ilha dos Frades, Ilha de Maré, Salinas das Margaridas, Saubara, Cabuçu e outras tantas regiões. O próprio Recôncavo Baiano só é recôncavo por conta da Baía de Todos os Santos.

Criada no mar, Salvador foi abençoada por um berço tão mágico e maravilhoso como este. Para amar, respeitar e mergulhar.

+ infos:
Instituto Kirimurê Baía de Todos os Santos

motivo #305

This entry was written by carolangom and published on November 1, 2013 at 4:19 pm. It’s filed under Baía de Todos os Santos, Uncategorized. Bookmark the permalink. Follow any comments here with the RSS feed for this post.

8 thoughts on “1º de novembro – Baía de Todos os Santos

  1. Pingback: 4 de novembro – Curvas | 365 motivos para amar Salvador

  2. Pingback: 5 de novembro – Forte São Marcelo | 365 motivos para amar Salvador

  3. Pingback: 6 de novembro – Amado | 365 motivos para amar Salvador

  4. Pingback: 10 de novembro – Travessia Ribeira-Plataforma | 365 motivos para amar Salvador

  5. Pingback: 29 de novembro – Café do MAM | 365 motivos para amar Salvador

  6. Pingback: 14 de dezembro – Praia da Boa Viagem | 365 motivos para amar Salvador

  7. Pingback: 23 de dezembro – Espaço Cultural da Barroquinha | 365 motivos para amar Salvador

  8. Pingback: 31 de dezembro – admirar Salvador pela janela | 365 motivos para amar Salvador

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s

%d bloggers like this: