365 motivos para amar Salvador

2 de dezembro – Riachão

Por Marília Moreira*

Nascido e criado no bairro Garcia, Riachão completou 92 anos e lançou o disco Mundão de Ouro (Foto: Reprodução)

Nascido e criado no bairro Garcia, Riachão completou 92 anos e lançou o disco Mundão de Ouro (Foto: Reprodução)

Metonímia do samba da Bahia, Clementino Rodrigues é, sem dúvidas, um dos 365 motivos para se amar Salvador. E se você não ligou o nome à pessoa, o sambista soteropolitano completou 92 anos no último novembro. Ainda não ligou? Vamos lá!

Dono de um estilo peculiar, composto por calça, paletó, boina, muitos anéis e uma toalha (ou cachecol) envolta no pescoço, Clementino Rodrigues é também Riachão. “Nascido e criado” no Garcia, um dos bairros mais antigos da cidade, ele conheceu a alfaiataria antes de fazer carreira musical profissionalmente. Mas ainda criança começou a batucar e a cantar no ritmo do seu pai, que era envolvido com música de capoeira e samba de chula. Lá pelos 15 anos, quando já trabalhava em grandes alfaiatarias da cidade, conheceu o samba do Rio de Janeiro e passou a cantar muitas das canções de lá. Certo dia, porém, recebeu um aviso.

Sem saber ler, Riachão encontrou uma folha de revista que dizia “Se o Rio não escrever, a Bahia não canta”. Encarado como aviso divino, foi a partir daquele dia que Clementino Rodrigues se transformou em Riachão e inundou a Bahia com seus mais de 500 sambas. Nenhum deles foi registrado com papel, caneta, fitas ou gravadores. “Eu nunca peguei em lápis ou caneta para compor nada. Todas as minhas músicas são Jesus que manda. E tudo tem a ver com casos que aconteceram na cidade, na minha vida”, contou recentemente em entrevista concedida ao Bahia Notícias.

Os únicos locais em que estão disponíveis são os poucos discos lançados por Riachão e, claro, na sua memória ainda afiadíssima. Para quem não pode desfrutar uma tarde de conversa distraída na casa do sambista, fica uma dica: Riachão acaba de lançar o disco “Mundão de Ouro”, um brinde merecido à carreira, aos amores e à vida. E conversar com gente assim ou, ao menos, escutar um disco como o “Mundão de Ouro” é uma coisa linda, uma injeção de ânimo maravilhosa.

Um viva os nonagenários novidadeiros da nossa cultura!

* Marília é jornalista e foi convidada pelo blog para postar um motivo pelo qual ama Salvador. Ela também já escreveu sobre o restaurante Casarrara.

+ infos:
Bahia Notícias: Riachão: ‘Nunca peguei em lápis ou caneta para compor nada’
Folha de S. Paulo: Crítica: Aos 92 anos, sambista Riachão faz show histórico no Sesc Pompeia

motivo #336

 

This entry was written by carolangom and published on December 2, 2013 at 3:08 pm. It’s filed under arte, música, personagens and tagged , , , , , , , , . Bookmark the permalink. Follow any comments here with the RSS feed for this post.

One thought on “2 de dezembro – Riachão

  1. Pingback: 30 de dezembro – BaianaSystem | 365 motivos para amar Salvador

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s

%d bloggers like this: