365 motivos para amar Salvador

4 de setembro – Casa das Sete Mortes

Por Carol Andrade

A Casa das Sete Mortes (Foto: Roberto Nascimento/IPAC)

A Casa das Sete Mortes (Foto: Roberto Nascimento/IPAC)

Mistério e assombração rondam essa casa centenária do Centro Histórico. O solar de número 24 na antiga Rua do Passo ganhou esse nome ‘Casa das Sete Mortes’ em 1755 depois de ter sido registrado um assassinato em série dentro do casarão. Mas antes de comentar o crime, é bom ressaltar sua importância histórica.

Ninguém sabe exatamente a data da sua construção, mas algumas evidências indicam que já no século XVII a casa estava de pé. Sua arquitetura traz estilo ibérico – entre português, espanhol, árabe e mouro – mas com requintes ingleses no seu interior. Alguns detalhes fazem dela uma construção artística muito original e criativa. Há ainda quem diga que esta seria um dos casarões mais antigos do Brasil, já que é possível notar sua presença em mapas muito antigos da cidade.

Os azulejos portugueses (que estão super na moda ultimamente) são algumas provas vivas da sua idade. O próprio pesquisador e ceramista Udo Knoff confirmou que nesta casa estão os azulejos mais antigos da cidade, datados do século 17 e ainda presentes no casarão, entre as cores azul e amarelo.

Mas se você acredita em fantasma, essa seria a casa mais famosa, quando o assunto é assombração, em Salvador. Em 1755, um crime nunca desvendado foi registrado no que seria o Tribunal de Justiça da época. O morador, o Padre Manoel de Almeida Pereira, e mais três criados (um pardo forro e dois escravos). Na época, também ficou conhecida como a Casa das Três Mortes. Mas o estranho mesmo é que na verdade não ocorreram nem sete, nem três, mas quatro mortes. E, apesar das investigações, ninguém desvendou este mistério.

Por isso, rapidamente, a história se alastrou e invadiu anos e anos. Até há pouco tempo, a vizinhança podia jurar que barulhos esquisitos surgiam de dentro do casarão. Logo, a casa ganhou fama de mal assombrada. Histórias começaram a aparecer sobre o crime. Uns diziam que uma empregada se vingou dos maus-tratos, outros diziam que a história estava relacionada a uma tragédia amorosa. Muitas lendas levam a crer que as mortes foram por envenenamento. Mas ninguém chegou a um ponto final.

Fato é que entre mistérios e beleza, o solar foi tombado pelo Iphan já em 1943. Hoje é possível não só visitar o sobrado, como também alguns cursos de músicas são promovidos por lá.

+ infos:
Funcionamento: 14h às  17h (segunda a sexta)
Bahia.com.br: Casa das Sete Mortes
Casapia.org: Casa das Sete Mortes Histórico (PDF)

motivo #247

This entry was written by carolangom and published on September 4, 2013 at 11:09 pm. It’s filed under arquitetura, passeio, programa gratuito, Soteropolitanidades and tagged , , , , , , , , , , , . Bookmark the permalink. Follow any comments here with the RSS feed for this post.

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s

%d bloggers like this: